sexta-feira, 28 de maio de 2010

XVIII. Respostas a algumas perguntas frequentes

Os processos sócio-históricos são dinâmicos e se renovam constantemente, sendo assim, não possui uma verdade única, é mutável. Hora uma resposta pode satisfazer as questões levantadas e horas não.

“A cibercultura produz exclusões?”

Há o risco de produzir exclusões, assim como em todos os tipos de comunicação ocorre. A diferença é que a difusão da internet, por exemplo, segue uma corrente diferente das demais formas de comunicação, seu acesso é cada vez mais fácil e barato, os equipamentos utilizados também, além de ficarem mais fáceis de manusear.

Cada sistema novo gera exclusões, por isso é necessário educar as pessoas, para que quando sejam apresentadas a esses “Novos” sistemas possam reagir de maneira positiva.

“A diversidade das línguas e das culturas encontram-se ameaçadas?”

A língua padrão na internet e no mundo é o inglês. O conceito de internet nos remete a um meio de comunicação livre e democrático. Ao invés de pensar nessa diversidade como uma ameaça, deve-se pensar como uma solução. Existem mais potencialidades que ameaças. Há o fim da monopolização de expressão pública. Qualquer um pode se expressar massivamente a custo relativamente baixo. Os meios de dissipação são bastante variados e tendem a crescer no futuro. No entanto usuário pode filtrar o conteúdo da internet, passando um pente fino para encontrar a informação que ele deseja, independente de língua ou região de acesso. Através de comunidades, os usuários podem se conectar com outros usuários que buscam o mesmo conteúdo, difundindo o seu conhecimento sobre o abordado e enriquecendo a rede, independendo de barreiras físicas ou geográficas. A conversão dos idiomas do conteúdo das páginas não é novidade, mas vem se aperfeiçoando muito, ajudando a diminuir a barreira que há para os usuários que não dominam outras línguas.

“A cibercultura não seria sinônimo de caos e confusão?”

Todos podem alimentar a rede, sem controle ou censura. Como se pode confiar no seu conteúdo? Não há um órgão geral regulamentador do conteúdo do ciberespaço, mas o site hospedante do conteúdo são mantidos por pessoas e instituições que afirmam suas contribuições e procuram defender sua validade frente a comunidade de internautas. Se um site publica algum conteúdo ilegítimo, esse perderá credibilidade, sendo um negócio ruim, pois perderá usuários, acessos, publicidade e consequentemente perdendo patrocinadores, diminuindo sua renda. Funciona quase como uma editora de revistas.

“A cibercultura está rompendo os valores da modernidade européia?”

A cibercultura retoma os ideais iluministas, defende o debate e a argumentação, frente a uma verdade única, valoriza a participação comunitária. Essa troca de valores era considerada pelos filósofos das luzes como o principal motor do progresso. A cibercultura não é pós-moderna, só da continuidade aos princípios revolucionários do iluminismo igualdade (um um emite para muitos), liberdade (codificação e acesso) e fraternidade (interconexão mundial).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário